domingo, 30 de junho de 2013

Sessão Dupla: GV Stand UP Club + Festina Lente - O dia depois

Gov. Valadares - MG, berço do rock do interior de Minas. Calor durante o dia, clima ameno à noite.

Tocamos para os amigos com um som bacana e um repertório enxuto. No final, embora não tenhamos tocado a música nova, valeu a experiência.

A viagem serviu, dentre outras coisas, para fortalecer o desejo de novos arranjos e composições.

Que venha julho, o mês do rock!

sábado, 15 de junho de 2013

Gov. Valadares - MG: Festina Lente On the Road

Antes mesmo de acertar todos detalhes do show passado, é iniciada uma nova empreitada recheada de desafios e novas canções.

Dessa vez, o quarteto do relógio prepara uma apresentação voltada para o velho e bom  rock n' roll. Não que antes fosse muito diferente, mas agora a vontade é botar pra quebrar em alto e bom som.

Uma nova composição já está sendo trabalhada e certamente agradará aos apaixonados do mês de junho. Assim, o repertório vai ganhando identidade e fortalecendo os gostos em comuns dos membros da banda.

Abrilhantando a jornada, nada mais rocking que um show em outra cidade. E nesse clima, faremos muito barulho no Soul Rock Pub em Governador Valadares, no dia 29 de junho. A cidade, localizada no leste mineiro, é berço de bandas como Vitrolas,  Brickheads, Xad'a Índia, Filhos da Mães, Stereosonico, Five Against One dentre muitas outras. Algumas delas, inclusive, vi nascendo e ensaiando no terraço da minha casa há mais de dez anos...

Resumindo:


Onde: Soul Rock Pub - Rua Dom Pedro II 400, Governador Valadares - MG
Quando: Sábado, 29 de junho, às 22hs.
Quem: Festina Lente

domingo, 2 de junho de 2013

Almanaque DiscoRock - O dia depois

Além do esperado! Um público animado, um som de primeira qualidade e muita energia da banda. O  evento surpreendeu os presentes e marcou território para novas edições.

"O Calibre", do indefectível Paralamas do Sucesso, abriu o show numa versão porrada mostrando as ousadias que estavam por vir. Muita fumaça e boca seca marcaram os segundos iniciais da apresentação.

Após a passagem por grandes sucessos das últimas décadas, destacou-se "Losing My Religion" do REM. O trabalho com o tremolo no bpm da música, somado ao delay gilmouriano ficou muito bom, trazendo uma esfera de violoncelo ao arranjo.

A pausa para troca de guitarra correu bem e pude enfim estrear minha telecaster homemade. A bichinha ficou linda com a luz negra evidenciando todos os detalhes malucos do acabamento (se revelou muito mais vintage do que eu imaginava!). O timbre, fugindo da maldição do cedro, destacou os agudos. Penso que uma melhor regulagem de captadores (que já tinha realizado nesta semana) ou até a troca dos mesmos se encaixe melhor. Por fim, valeu muito a pena levar esse xodó para o show.

Seguindo, o repertório ficou cada vez mais animado. A galera (e a banda) se soltou. Contrariando a minha preocupação, as músicas que insistiam em falhar nos ensaios saíram perfeitas. Nada que duas horas de Pink Floyd e Rolling Stones antes do show não pudesse me acalmar.

As canções autorais tiveram excelente recepção e o público deve estar ansioso pelas próximas que estão por vir. Até lá, novos arranjos podem pintar nas canções apresentadas.

O Clube 106 quase veio ao chão com a visceral interpretação de "Fátima" do Renato Russo/Capital Inicial(?). Finalizando, como quem diz tchau mas deixa o melhor pro final: "Keep Rockin in the Free World" do Neil Young/Pearl Jam(?). Nessa hora o wah wah falou bonito, mesmo que eu escutasse muito pouco (ou quase nada) do retorno.

Valeu pela experiência e pelo carinho dos que prestigiaram.

Continue agitando no mundo livre!